Paul´s Blog

Informações Inúteis do dia-a-dia

Flashphone – ligações telefônicas grátis durante a fase beta

fonte: Manias de Geek Blog

flashphone.gif

O Flashphone é um aplicativo online que permite realizar chamadas sem a necessidade de instalar qualquer software. Funciona perfeitamente em qualquer browser com suporte a flash. O serviço foi lançado recentemente e está fase beta.

Neste momento oferece ao usuário a possibilidade de realizar 3 ligações diárias com duração de 3 minutos para experimentar o sistema. Futuramente, como qualquer outro sistema de VOIP, deve passar a cobrar uma pequena taxa dos usuários para sustentar seu funcionamento.

Testei o serviço, que mesmo em fase beta funciona no Brasil. A qualidade do áudio é razoável. Agora vamos aguardar para ver o custo da ligação quando estiver em pleno funcionamento.

Quem quiser experimentar vale a pena, o cadastro é bem simples e não tem que fazer download de nenhum programa adicional. Lembre se de colocar o código do país e o código de área na frente do número do telefone. Por exemplo, uma ligação para São Paulo ficaria assim: 5511(XXXXXXXX).

novembro 29, 2007 Posted by | Dicas, Ferramentas, Tecnologia, Tips | 4 Comentários

Golpe do baú na visão de um corretor de Wall Street

fonte: Neoplace Blog

                    Segundo um site, uma mulher apelou e colocou um anúncio no Craigslist pedindo ajuda para um problema, no mínimo diferente:

 Eu sou uma garota linda (maravilhosamente linda) de 25 anos. Sou bem articulada e tenho classe. (.) estou querendo me casar com alguém que ganhe no mínimo meio milhão de dólares por ano. Tem algum homem que ganhe  500 mil ou mais neste site? Ou esposas de gente que ganhe isso? Vocês poderiam me mandar algumas dicas? Eu namorei um homem de negócios que ganha por volta de 200 a 250 mil. Mas eu não consigo passar disso. 250 mil não vão me fazer morar em Central Park West. Eu conheço uma mulher da minha aula de ioga que casou com um banqueiro e vive em Tribeca, e ela não é tão bonita quanto eu, nem é inteligente. Então, o que ela fez de  certo que eu não fiz? Como eu chego no nível dela?


Resposta de um corretor de Wall Street

 Eu li seu anúncio com grande interesse e pensei com cuidado sobre seu dilema  Fiz a seguinte análise da situação:

Primeiramente, não estou gastando seu tempo, pois me qualifico como um homem que atende seu orçamento; ou seja, eu ganho mais de 500 mil por ano. Isto posto, eu considero os fatos da seguinte forma: Sua oferta, quando vista da perspectiva de um homem como eu, é  simplesmente um péssimo negócio. Eis o porquê:

Deixando as firulas de lado, o que você sugere é uma negociação simples. Você entra com sua beleza física e eu entro com o dinheiro. Ótimo, fácil. Mas tem um problema. Sua aparência vai se acabar e meu dinheiro vai continuar  existindo, perpetuamente. de fato, é bem possível que meus rendimentos aumentem, mas é certeza absoluta o fato que você não vai ficar nem um pouco mais bonita!

Assim, em termos econômicos, você é um ativo sofrendo depreciação e eu sou  um ativo rendendo dividendos. Você não somente sofre depreciação como esta depreciação sempre aumenta! Explicando, você tem 25 anos hoje e deve continuar gostosa pelos próximos 5 anos, mas sempre um pouco menos a cada ano. Então o fim de sua aparência começa cedo. Aos 35 anos você já estará acabada Então, usando o linguajar de Wall Street, nós a chamaríamos de “trading position” (posição para comercializar), e não de “buy and hold” (compre e
retenha)
– que é o que você deseja . daí o problema. casamento. Não faz sentido, do ponto de vista de negócios, “comprar” você (que é o que você quer), portanto prefiro alugá-la.  Se você estiver pensando que estou  sendo cruel, eu tenho a dizer o seguinte: Se meu dinheiro vai se acabar, você também vai. Então, quando sua beleza se esvair eu tenho que ter uma opção de saída. É simples assim. Um negócio razoável, portanto, é um  namoro, e não casamento.

Paralelamente a isso, bem no início da minha carreira me ensinaram sobre mercados eficientes. Assim, eu me pergunto com uma garota “articulada, com classe e maravilhosamente linda” como você ainda não achou seu tio Sukita.

Acho difícil acreditar que você é tão bonita quanto diz e os 500 mil dólares ainda não te encontraram, nem que fosse pra um “test drive”. Por sinal, sempre há um jeito de você descobrir como ganhar dinheiro por conta própria, para que não precisemos ter essas conversas difíceis.

Com tudo isso dito, devo dizer que você está tentando da maneira certa. É a clássica “capitalização via golpe do baú”.

Espero que tenha sido útil

e, se quiser negociar um contrato de aluguel, fale comigo.

novembro 29, 2007 Posted by | bobagens, Catarse, Tecnologia | Deixe um comentário

Synchronize Folders with SyncToy 2.0

fonte: lifehacker

synctoyheader.png
Windows only: Synchronize the contents of two folders, either across your home network or on the same PC with a free utility from Microsoft, SyncToy. The 2.0 beta’s been released and gotten smarter since the first time we pointed out SyncToy, adding smart drive letter detection (for when your USB drive gets assigned a different drive letter when you plug it in) and a more robust mechanism to include or exclude files from the synchronize action. Great for sync’ing files from your desktop to a USB drive or between two different computers on your home network, Adam uses it to sync his iTunes library between PC’s. The SyncToy 2.0 beta is a free download for Windows only.

novembro 27, 2007 Posted by | Blogroll | Deixe um comentário

Paul´s online

Take a look at http://paulrsilva.ww.com/

novembro 26, 2007 Posted by | Tips | Deixe um comentário

Teste a qualidade do Leite que vc consome

Idéia do Perguntas Cretinas

“Pegue um espelho e coloque no seu traseiro. Se os cabelinhos estiverem loiros, tomou leite com água oxigenada. Se não tiver cabelo foi com soda cáustica !”

novembro 26, 2007 Posted by | bobagens, Dicas | Deixe um comentário

The Word is out: Microsoft will face online fight on core software

From
November 22, 2007

The co-founder of Hotmail, the web-based e-mail service bought by Microsoft for $400 million a decade ago, is challenging the American software giant’s core $20 billion (£9.7 billion) office desktop business.

Yesterday Sabeer Bhatia released a free online rival to the bestselling Office suite of applications that will allow users to view, share and edit documents from any computer.

The Indian-born Stanford graduate said that Live Documents would pose a “significant” challenge to Microsoft’s propriety software business, which eventually would be made redundant by the evolving internet applications industry. Office, bundling the Word word-processing, Excel spreadsheet and PowerPoint presentation tools, accounted for a third of Microsoft’s total revenues last year. It is forecast to top $20 billion this year.

“We are just a few years away from the end of the shrink-wrapped software business. By 2010, people will not be buying software,” Mr Bhatia said. “This is a significant challenge to a proportion of Microsoft’s revenues.”

function pictureGalleryPopup(pubUrl,articleId) { var newWin = window.open(pubUrl+’template/2.0-0/element/pictureGalleryPopup.jsp?id=’+articleId+’&&offset=0&&sectionName=IndustrySectorsTechnology’,’mywindow’,’menubar=0,resizable=0,width=615,height=655′); }

The latest rival product was developed by InstaColl, a Bangalore-based company that is chaired by Mr Bhatia and backed by SoftBank’s Bodhi Fund. He admitted that “a few million bucks” of Microsoft’s payment from the sale of Hotmail went into its creation.

Designed to help consumers avoid expensive upgrades and to foster collaboration on a secure internet platform, Live Documents matches features found in Office 2007, the most recent version. It will be given away to individuals with 100MB of free data storage space per user. Companies will pay for the system, either hosted remotely or on an internal server, at a discount to Microsoft’s licensed technology. Aricent, an Indian software services group with 6,700 employees, is the first client.

Live Documents is similar to Google Apps, launched in February and used by companies including Proctor & Gamble, General Electric and Capgemini as a cheaper alternative to Microsoft. However, Mr Bhatia claims that his product is superior to Google’s in its range and quality, most crucially because it mimics Office 2007. Most of Office’s estimated 500 million customers have yet to upgrade from the 2003 version, while it is not available for Apple computers.

He said. “This will do for documents what Hotmail did for e-mail. Why spend $400 on an upgrade when you can get it for free?”

Office 2007, the biggest advance in the system in ten years, took more than 2,000 Microsoft programmers three years to develop. Thirty-two software engineers in Bangalore, India’s IT hub, took four years to break Microsoft’s code so that they could replicate it online.

InstaColl said that it was not infringing copyright because of a legal ruling that concluded that it was not possible to patent the “look and feel” of a computer interface.

Microsoft itself was instrumental in setting the precedent. In 1994, it won a lawsuit brought by Apple for copying graphics from the Macintosh operating systems for use in Windows.

Microsoft has toyed with the idea of putting its word processing and spreadsheet applications online but fears the cannibalisation of its core business. Instead it has focused on enhancing its desktop product with online extras.

The threat of free web-based applications is still nascent. Most of Office’s sales are to companies buying licences in volume; about 40 per cent come from the sale of packaged software.

Mr Bhatia and Jack Smith devised Hotmail, named after HTML, the language of the web, soon after leaving Apple in the mid1990s. Today it has more than 450 million users.

Crowded Office

IBM offfers Lotus Symphony, a suite of free desktop applications that includes document, spreadsheet and presentation software

Google Docs is a suite of free web-based applications that lets users create, edit and upload documents, spreadsheets and presentations or create new ones from scratch

Yahoo! bought Zimbra – a start-up that specialises in online e-mail tools similar to Microsoft Exchange and Outlook, key parts of the Office family – in September

novembro 22, 2007 Posted by | Notícia, Reportagem, Tecnologia, Tips | Deixe um comentário

Análise: Kindle precisa mais bateria

Pois , estava lendo na slashdot que o estoque do kindle (e ebook que a amazon lançou para concorrer com o ebook da sony) esgotou nas primeiras 5 horas de venda na Amazon. É um produto bastante interessante, mas pela avaliação do terra (que colei abaixo) , parece que peca na autonomia de bateria.

Segue a avaliação do terra:

Fonte: terra tecnologia
 

function abre(url,janela,larg,alt,scroll){ if (!scroll) { scroll=’auto’ } window.open(url,janela,”toolbar=no,location=no,directories=no,status=no,menubar=no,scrollbars=”+scroll+”,resizable=no,copyhistory=no,width=”+larg+”,height=”+alt); }

Divulgação

Bateria dura apenas dois dias com a função de celular ligada
anuncioCentroDireitaPequeno.mostra();
 Últimas de Eletrônicos
» Análise: Kindle precisa mais bateria
» Israel lança sistema de identificação anti-sequestro de pilotos
» Agência espacial lançará carro a hidrogênio em 2008
» Philips patenteia pílula com controle remoto
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

Fazer um leitor de livros eletrônicos de sucesso é uma das tarefas mais difíceis no mercado atual. Muitos tentaram e até hoje todos falharam, derrotados por uma invenção com milhares de anos: o livro.

» Amazon pode revolucionar leitura com livro eletrônico
» Leitor de livro eletrônico acessa a web sem fio
» Amazon e empresas de busca apostam no livro eletrônico
» Veja análise do Sony Reader

Esta semana, a Amazon lançou o Kindle, a melhor tentativa até agora de desafiar o livro. É em muitos aspectos um dispositivo impressionante, mas acaba perdendo muito na péssima bateria, tornando difícil acreditar que o Kindle será um divisor de águas.

A genialidade do Kindle, vendido a US$ 399, é a inclusão de um telefone celular dentro do dispositivo, que é do tamanho de um livro convencional, entretanto mais fino. Através de um modem, o Kindle pode remotamente baixar livros, revistas, jornais e blogs – por uma taxa – em qualquer lugar que haja cobertura da Sprint Nextel. Não é necessário pagar uma assinatura para a empresa telefônica, a Amazon cuida disso.

A Amazon possui 90 mil livros eletrônicos em sua loja. Um best seller como o livro de receitas Deceptivly Delicious, de Jessica Seinfeld, custa US$ 9,99 e leva menos de um minuto para baixar no aparelho, se o sinal estiver bom.

No total, 11 jornais estão disponíveis, incluindo The New York Times, The Washington Post e San Jose Mercury News. Se você assinar um, ele chega automaticamente ao aparelho todos os dias de manhã. Os jornais têm poucas fotos e gráficos, mas percebi que consegui ler muito mais do Times no Kindle por causa da facilidade de manuseio dentro de um metrô lotado.

O Kindle pode armazenar até 200 livros com sua memória interna, que pode ser expandida com cartões SD. O aparelho também reproduz música e audiobooks, entretanto estes ocupam muito mais espaço na memória.

O texto aparece na tela de seis polegadas, que utiliza tecnologia de “tinta eletrônica”, chamada de e-ink. É uma reprodução razoável de tinta no papel, com exceção que o papel é cinza e não branco. É bastante legível, mas com algumas limitações. Por exemplo, só existem quatro tonalidades de cinza no aparelho, fazendo imagens parecerem como se fosse fotocopiadas.

Além da legibilidades, o grande benefício do e-ink é que consome muito pouca energia. Na verdade, nenhuma energia é utilizada enquanto a página é mostrada, apenas quando se muda de imagem. O Sony Reder, lançado no ano passado, utiliza a mesma tecnologia e diz que uma única carga pode durar 7,5 mil páginas lidas, ou seja, semanas e semanas de uso.

Em contraste, o Kindle durou apenas 24 horas para mim, incluindo as duas horas de leitura. A Amazon disse que este caso não é típico, e o aparelho deveria durar cerca de dois dias entre cargas.

Mas isto ainda não é suficiente, e eu acho que tem algo errado aí. Combinar uma grande bateria, uma tela que praticamente não consome energia e um celular que não efetua chamadas não deveria resultar em um dispositivo que tem menos que a metade da bateria de um telefone celular.

O modem pode ser desligado através de um botão externo, e a Amazon disse que com ele desligado o aparelho deve funcionar por uma semana sem recarga. Eu não tive todo este tempo para testar o Kindle, mas não quero ter que ficar lembrando de ter que ligar o modem quando é hora de baixar o jornal do dia e depois desligá-lo novamente. Eu sei que esqueceria sempre e teria uma bateria vazia no dia seguinte quando fosse ler o jornal.

É uma pena já que o Kindle faz todo o resto tão bem.

O Reader da Sony é difícil de navegar porque a velocidade da tela de e-ink é lenta. O Kindle tem uma tela secundária para contornar o problema. A Amazon se esforçou muito para fazer a troca de páginas fácil que acabou exagerando. É difícil segurar o dispositivo sem virar a página em função dos grandes botões.

É possível também ler seus próprios documentos no Kindle, apesar da função ser limitada. Ao conectar o aparelho no computador, é possível transferir documentos de texto simples. Se você quiser transferir documentos do Word ou PDFs é necessário enviar o arquivo para a Amazon, que converte e envia diretamente para o Kindle, a um custo de US$ 0,10 por documento. No meu teste alguns PDFs não ficaram muito bem na conversão.

Mas a real razão pela qual não recomendo o Kindle é o problema da bateria. É possível que a Amazon possa arrumar isto, como um upgrade de software, já que a vida da bateria é muito mais curta que a garantia do aparelho. Senão, teremos que esperar uma próxima tentativa para um ótimo leitor de e-books.
 

novembro 22, 2007 Posted by | Dicas, Notícia, Reportagem, Tecnologia | Deixe um comentário

Que porra de fonte é essa?

tugado do blog Sedentário e Hiperativo

Você quer saber o nome da fonte utilizada em algum trabalho ou site? O myfonts tem um serviço que te ajuda descobri-lo, basta upar uma imagem ou colocar o link dela e ele procura para você, dá um preview e ainda a opção para download. Nos testes que eu fiz aqui com 4 fontes eles reconheceu 3 e errou uma, mas mostrou uma parecida. Dica: mande uma imagem com um bom contraste entre o background e a fonte, de preferência com cores chapadas conforme o exemplo

novembro 21, 2007 Posted by | Dicas, Ferramentas, Tips | Deixe um comentário

Sintetizador de voz em Flash

from: usabilidoido blog

ref = document.referrer; if (ref.indexOf(‘q=’) != -1 || ref.indexOf(‘p=’) != -1) { document.getElementById(“adsensegooglers”).style.display = “block”; }

Essa menina me surpreendeu! Consegue sintetizar com perfeição frases escritas em diversas línguas e com uma velocidade extremamente rápida. Claro, já tinha visto versões similares no desktop, mas nunca com uma voz tão natural e ainda mais em português.

O website da empresa que cria esses avatares faz várias sugestões de como usá-los para tirar dúvidas e atender o consumidor. Segundo eles, torna os websites mais humanizados. Bem, eu acho que pode ser bem interessante para tornar os atuais atendimentos via chat mais interessantes, desde que haja uma pessoa real por trás das palavras da atendente virtual. É uma alternativa melhor do que uma webcam, porque economiza banda, somente áudio é transferido.

Em breve, vocês verão o microfone se tornar um dispositivo de entrada de dados viável para o PC. Quando isso acontecer, será um passo para atingir outros dispositivos. Imagine navegar na Web enquanto se está dirigindo o carro, cozinhado ou o que seja, só através de comando de voz? Computação ubíqua.

novembro 16, 2007 Posted by | Dicas, Ferramentas, Tecnologia | Deixe um comentário

Sandy’s Your Personal Assistant via Email

fonte: lifehacker

sandy.jpg If you live out of your inbox and don’t have the luxury of a human assistant, check out newly launched webapp Sandy, an information tracker you interact with via email. Register for a free account and you’ll get an email address you can send your to-do’s, contacts, bookmarks, notes, and appointments to in keyworded messages. Sandy receives the email, parses, stores, and organizes the information, and emails you back reminders and agendas only when you need ‘em.

For example, a message to your sister that cc:’s Sandy and reads:

Remind us to call Mom on her birthday on 9/16/07 @yearly @birthday

Will set up yearly email birthday reminders for Mom from Sandy. Here are a few more ways Sandy can remember important items you want to get off your mind.

All your lists and reminders are available on Sandy’s web site as well as via email, and you can set up SMS and Twitter access to Sandy, too. Formatting messages Sandy understands is very easy; you’ll see from this cheat sheet the language is natural, as if you were talking to an actual human.
sandy-cheatsheet.png
Those of us already getting more email each day than we can handle should configure Sandy to send just the messages we want. Opt in or out of replies to every Sandy command, specific item reminders, and a daily digest of appointments and to-do’s. The best part about Sandy is the messages you get back from “her”—helpful and fun, the tone truly makes you feel like have an assistant backing you up.

Sandy’s yet another example of how the command line’s making a comeback—except the “command line” is a new email message, not a terminal window, and the commands and responses are in readable, natural language. Overall, Sandy’s one of the most evolved reminder systems and remote command line apps available today.

novembro 13, 2007 Posted by | Ferramentas, Tecnologia, Tips | Deixe um comentário