Paul´s Blog

Informações Inúteis do dia-a-dia

Como escolher um aparador de grama!

Fonte: Blog Bandai

Se você possui sua própria casa, você vai precisar comprar um cortador de grama em algum momento. Ou seja, a menos que você tenha a sorte de ter um jardineiro, ou tenha dedicado toda a sua área para criar um jardim Zen perfeito. Escolher qual cortador de grama comprar pode ser um desafio empolgante ou uma tarefa desconcertante. Não importa como você veja essa tarefa, existem vários fatores importantes a ter em consideração antes de fazer a compra.

Carretel ou giratório?

O manual de carretel fará seus vizinhos felizes, pois geralmente não tem motor, por isso eles são muito silenciosos e não poluentes. Eles consistem em uma lâmina fixa que corre paralela ao chão e um cilindro rotativo com várias lâminas em anexo. Quando o cilindro gira, as lâminas de corte entram em interseção com a lâmina fixa, e a grama é cortada. Os manuais de carretel têm a vantagem de serem silenciosos e ecológicos. Eles são baratos, quase livres de manutenção e proporcionam um corte maior na lâmina. A desvantagem, naturalmente, é que é duro o trabalho de cortar com um cortador de carretel. Eles estão disponíveis com motor, mas são muito caros, por isso a menos que você corte uma grande área verde, eles provavelmente não valerão o custo.

timthumb.php

Elétrico, a gasolina ou movido a bateria?

Se você está preocupado com o meio ambiente e tem um gramado pequeno, os cortadores elétricos ou movidos a bateria são o melhor caminho a seguir. Os cortadores elétricos são alimentados por uma tomada padrão. Você vai precisar de um fio de extensão muito longa, para serviços pesados. Por esta razão, cortadores elétricos não são práticos para médios ou grandes gramados. Outra desvantagem é a dificuldade de cortar com um fio no caminho. A segurança também pode ser uma preocupação — passar sobre o cabo de alimentação é muito perigoso.

Cortadores de bateria, tal como o nome sugere, são alimentados por uma bateria de grande porte, que fica situada em cima da plataforma da segadeira. A principal desvantagem deste tipo é o fato de que a maioria das baterias dura apenas uma hora com uma carga completa. Se seu gramado leva mais de uma hora para cortar, você precisará comprar uma bateria sobressalente. Ambos os cortadores elétricos e movidos a bateria são menos caros do que a maioria dos cortadores a gasolina.
Cortadores a gasolina são a opção mais comum para a casa própria – você os reconhece pelo barulho alto ecoando pelo bairro. Embora mais barulhentos, eles são mais rápidos e podem ser mais fáceis de usar. Os modelos mais fáceis de usar são os cortadores a gasolina automotrizes — tudo que você precisa fazer é orientar a máquina. Cortadores com motor a gasolina vêm em duas variedades — dois tempos e quatro tempos. Os motores de quatro tempos não poluem tanto quanto os motores de dois tempos, e não necessitam que o combustível seja misturado antes de ser colocado no tanque.

Coletor ou de descarga?

Se você fez a opção por um cortador rotativo, você precisa decidir se prefere coletor ou de descarga. Um cortador com um saco acessório, coleta a grama cortada. Você pode então adicioná-la à sua compostagem, ou jogá-la no lixo. Um cortador de descarga corta cada folha de grama por diversas vezes, e transforma os restos em uma cobertura muito fina que pode ser deixada no gramado sem danificá-lo. Estes cortadores são mais rápidos, porque você não precisa parar a cada ciclo e esvaziar o saco. No entanto, eles são mais caros do que os coletores. Aliás, deixar os pedaços de grama sobre o seu gramado não causa colchão – apenas evita a luz solar de alcançar a grama que está coberta por eles.

Cavalos de força.

Ah, sim — a verdadeira razão para comprar um cortador de grama — tanta força quanto você possa precisar, e provavelmente muito mais! No entanto, não se deixe seduzir pelo cortador com o motor mais potente. Você só vai pagar mais por um recurso que você nunca vai usar. Em geral, se o gramado é bastante nivelado, e a grama não é muito densa, você pode conviver com um cortador de grama cuja potência esteja na extremidade inferior do espectro. Se você tem área acidentada, e de grama grossa, você pode querer um pouco mais de força.

Deck.

O deck é o corpo da máquina, é em cima dele que a bateria ou o motor se assenta. O aço é o material mais durável, mas os de alumínio e de plástico são mais leves e menos dispendiosos.

De Montar ou empurrar?

Se você tem um gramado de mais do que um acre de tamanho, ou você tem limitações físicas, você pode querer comprar um cortador de montar. Eles têm uma lâmina rotativa debaixo de uma plataforma, situada abaixo do centro da máquina. O cortador de montar vai custar muito mais do que um cortador de empurrar, mas o tempo que você vai economizar pode valer a pena, e o preço.

Preço, Suporte e Garantia

Você não precisa comprar os cortadores de grama mais caros do mercado, em razão do nome ou marca. Também não é recomendável comprar equipamentos muito baratos, importados da china ou similares, sem suporte ou garantia no Brasil. Existem excelentes máquinas, com excelentes preços, garantia e frete grátis no Brasil.

Sugestões:

Uma das marcas com melhor custo/benefício que existem  é a Poulan Pro. Se você quer a melhor correlação custo/benefício no Brasil, sugerimos os produtos da Bandai (cujo conjunto: suporte nacional, preço e garantias são imbatíveis). As Promoções de Vendas que antecedem o final do ano são ideais para os melhores negócios. Existem ainda outras excelentes marcas que podem ser utilizadas para manter seu jardim da melhor forma possível, como os da Husqvarna, Stihl ou Tekna. Você pode pesquisar por estas marcas na internet ou acessar os melhores preços nestas lojas: HSFloresta e Jardim, BSSMáquinas

Anúncios

outubro 7, 2015 Posted by | Dicas | , , | 1 Comentário

Uso intensivo de processador no Mac Book Air – No calor seu Mac pode virar um PC

Recentemente percebi que o uso do processador do meu MacBook Air – processo ” Kernel_Task ” – estava acima dos 100%, chegando a 150% do uso da máquina. O resultado é que ficava impossível usar qualquer aplicativo no computador.

Ocorre que estamos entrando no verão (ontem estava 31º C) e também percebi que a máquina estava extremamente quente. Observe-se que em virtude do tamanho reduzido a ventoinha de resfriamento da mac air é bastante pequena, existe pouco espaço para dissipar o calor e quase nenhuma entrada de ar no aparelho. 

Também é fato que os computadores (principalmente laptops) da Apple esquentam bastante mais que os PC’s, por uma série de razões. BINGO!! Descobri o problema da lentidão e uso extremo do processador no meu MacBook Air… Fui na geladeira, coloquei alguns cubos de gelo em um saco plástico, fechei bem e coloquei embaixo da máquina para testar minha teoria: Assim que o computador esfriou o uso de processamento do ‘kernel_task’ caiu para 5% (!!!).

A pergunta é: O que acontece?

Simples: O ‘kernel_task’ é responsável, entre outras coisas, pelo gerenciamento do processador no Mac… No caso de aquecimento extremo, por segurança (para evitar a queima do processador) , ele corta metade da velocidade do clock para que o computador esfrie. O desempenho do Mac Air cai de 1.67Ghz para 800Mhz… Mas isto não é tudo: Se ainda assim a máquina continuar quente (e isto ocorre com bastante frequencia) o ‘kernel_task’ irá inserir ‘pausas’ no processador para forçar o esfriamento e evitar que a máquina queime. 

O resultado é um monte de intervenções prioritárias no kernel da máquina (com um alternar constante de 1.67ghz para 800mhz ou inserção de pausas no processador), diminuição de velocidade e desempenho reduzido. Ou seja, no calor do inferno seu Mac vira um PC.

Como resolver o problema?

Se você não pode ir para a Islândia ou colocar sua máquina do lado do ar-condicionado, seguem algumas dicas simples:

1) Evite trabalhar com seu computador em superfícies de tecido (sofás, camas, etc). Se o fizer lembre de deixar um espaço embaixo do computador para entrada de ar (sim, parece incrível, mas a entrada da ar do MacBook air é embaixo do aparelho);

2) Evite o uso do Flash (não era balela do Jobs, não: O Flash acessa o processador de maneira desproporcional, aumenta o uso da CPU e esquenta ainda mais o aparelho… Esta é uma das razões pelas quais diminuí o tempo da bateria). O uso de um aplicativo para controlar e/ou desligar o Flash é interessante… Vale a pena dar uma olhada no FlashFrozen.

3) Considere instalar um gerenciador para aumentar a velocidade da ventoinha de resfriamento de sua máquina… O smcFanControl é a melhor alternativa que encontrei disponível.

4) Faça como eu e coloque seu computador em cima de cubinhos de gelo.


dezembro 21, 2011 Posted by | Dicas, Tecnologia | , , , , | Deixe um comentário

Como personalizar uma página de Blog no WordPress

Fonte: Blog Negócios na Net

Muitas vezes é conveniente dar um aspecto diferente do template original a uma página em concreto do WordPress. Isso é possível fazer de uma maneira fácil, havendo dois caminhos para realizar essa tarefa: um simplesmente “linkando” a uma página externa, mesmo sem ser em PHP, desenvolvida totalmente fora do “look” do template principal e descartando os respectivos plugins e widgets, outra apenas mexendo – “customizando” – o aspecto do template em utilização, mantendo as suas principais características e funcionalidades.

Páginas Personalizada

 


Ligar a Página Exterior

Para esta alternativa bastará que tenha disponível uma página feita e colocada em qualquer lado, seja em HTML ou PHP. Apenas terá que acrescentar ao “header” do seu template –  que em princípio é o sítio onde se encontram os menus de ligação às diferentes páginas do seu site – a ligação em causa. As hipóteses de organização dos menus e as suas configurações são muito e variáveis, mas certamente irá encontrar qualquer instrução para exibir páginas do tipo:

 

<?php wp_list_pages(‘title_li=’); ?>

 

Esta instrução com toda a probabilidade está arrumada junto a uma rotina de criação de lista, como a que segue:

 

<ul id=”navlist”>
<?php if (is_home()): ?>
<li><a href=”<?php echo get_settings(‘siteurl’);?>”>Home</a></li>
<?php else : ?>
<li><a href=”<?php echo get_settings(‘siteurl’);?>”>Home</a></li>
<?php endif; ?>
<?php wp_list_pages(‘title_li=’); ?>
<li><a href=”http://paginaexterior.com/&rdquo; title=”A minha página fora do WordPress”> Página</a></li>
</ul>

 

Bastará assim introduzir na lista o link para a sua página personalizada que ela passará a constar do menu geral do seu Blog.

 

Criando um template personalizado

Outra solução será, dentro do próprio WordPress, criar um template personalizado para a página que deseja alterar. Para isto bastará realizar os seguintes passos:

1. Copiar o ficheiro page.php ou single.php para outro a que chamará por exemplo landing.php(vamos imaginar que quer fazer uma “landing page” personalizada);

2. Edite esse ficheiro e altere-o de maneira a que o WordPress o possa identificar como um template, junto à instrução que invoca o “header”:

 

<?php
/**
Template Name: Landing */

get_header(); ?>

3. Ao criar agora uma nova página no WordPress vai-lhe passar a aparecer  no menu “Modelo” do quadro de Atributos o novo que acabou de criar (“Landing”).


Área de criação de Páginas do WordPress

Quadro de criação de Páginas do WordPress

 

E é tudo! É claro que a imaginação é o limite para aquilo que quiser fazer dentro do novo “template”. Como deve saber o mesmo é normalmente composto, no mínimo, por quatro secções:

 Header
 Body (index.php ou home.php)
Sidebar
 Footer

A – ou as – Sidebar  (barra lateral)  costuma conter no WordPress uma série de informações úteis provenientes de “widgets”, publicidade, etc. Poderá mantê-la no seu template personalizado, embora possa incluir nela uma instrução que a “obrigue” a comportar-se de maneira diferente quando for exibida na página para a qual criou o novo template. Por exemplo:

<?php if(is_page(’507′)) { ?>
<!– Aqui a minha rotina personalizada –>
<?php }?>

Assim parte do código só será executado quando a página em questão estiver a ser exibida.

O WordPress, embora possa parecer para as pessoas ainda pouco familiarizadas com ele pouco flexível é na verdade uma ferramenta muito versátil que permite um grau muito elevado de parametrização, sendo possível fazer dele (quase) tudo aquilo que queremos, personalizando-o de acordo com as necessidades de cada um.

novembro 18, 2011 Posted by | Dicas, Tecnologia | , , , | Deixe um comentário

Filtrar resultados no WordPress com PHP

fonte: Blog Negócios na Net

O WordPress é uma ferramenta do tipo CMS, extremamente versátil e poderoso na sua capacidade de armazenar e exibir resultados provenientes da produção dinâmica de informação. É assim possível customizar, através dos filtros adequados, aquilo que é mostrado. No entanto a “Home Page”, sendo a “rosto” do site, pode recorrer a algumas rotinas extra em PHP que levam um pouco mais além essa tarefa de se conseguir que o WordPress mostre esse “rosto” de uma maneira totalmente única e personalizada, diferente das demais páginas.

Isto seja no que respeita aos conteúdos,  ou seja no que respeita à forma (“layout”) visto que, em conjugação com as “folhas de estilo”, é possível alterar o aspecto gráfico, fora e dentro da “home page”, consoante as conveniências, criando assim um site de “geometria variável”.

 

Customizar a Home do WordPress

Personalizar

 

Começo por referir que é de todo interesse pôr o PHP a trabalhar no computador de casa para esta tarefa, com os servidores adequados e cuja instalação já explicamos noutro artigo; tarefa simples e de fácil execução e muito importante para evitar fazer “crashar” o site quando este está online. Partindo do princípio que isto já está feito, aqui seguem as ideias.

 

1. Tirar partido das meta keys

As “meta keys” estão disponíveis nos campos personalizados de cada “post”. Podemos criar as “meta keys” que quisermos, passando estas a constituir um elemento adicional na filtragem da informação produzida pelo blog. Vamos então criar uma “meta key” chamada pagina1; ela terá dois valores possíveis: 1 e zero (em branco). O valor “1″ significa que o “post” em questão será exibido na home page. Provavelmente, dependendo do template que estiver a usar, a exibição dos ficheiros da “home” fica por conta do ficheiro index.php. Assim neste iremos colocar esta rotina, antes dos artigos começarem a ser “descarregados”:


<?php if (is_home()) : ?>
<?php query_posts(‘meta_key=pagina1&meta_value=1′);  ?>
<?php if (have_posts()):  ?>
<? while (have_posts()) : the_post(); ?>
<a href=”<?php the_permalink(); ?>”><?php the_title(); ?></a>
<?php the_content(‘Continue a Ler’); ?>  <!– ou em alternativa <?php the_excerpt(); ?> –>
<?php endwhile; ?>
<?php endif; ?>
<?php endif; ?>


O que é feito em cima, então?  Se se estive na “home” (note que o ficheiro index.php pode ser usado para executar outras tarefas de exibição fora da “home page”  – donde o comando <?php if (is_home()) : ?> – o programa vai verificar se  o “post” tem a meta key “pagina1″ com o valor 1, sendo somente estes artigos exibidos.

 

Podemos, assim ir alterando a “flag” da meta keyna área de administração de modo a fazer variar os posts na página da frente do site.

Deste modo apenas  determinados artigos, independentemente da sua data, autor, “etiqueta” ou categoria, serão mostrados na página principal.


2. Usar o operador incremental

Suponhamos agora que se pretendia personalizar o “layout” da página principal, alterando-a no sentido de ela exibir determinadas opções extra, mostrar ou não mostrar publicidade, evidenciar determinadas categorias de artigos com elementos gráficos suplementares, etc.

Normalmente poderá realizar esta tarefa recorrendo aos “widgets” na barra lateral sem mexer no código. Mas se pretender alterar algo dentro da zona do “miolo” da página já as coisas não são assim tão fáceis, mas mesmo assim nada demais. Então vamos lá:

 

<?php query_posts(‘meta_key=pagina1&meta_value=1′);  ?>
<?php if (have_posts()): ?>
<?php $count = 0; ?>
<?php while (have_posts()) : the_post(); ?>
<?php $count++; ?>


Introduziu-se agora um novo elemento que foi
 pôr o PHP dentro do loop que procede à exibição dos posts a fazer uma contagem incremental dos mesmos através da instrução 
<?php $count++; ?>. De seguida:

<?php if ($count < 2) : ?>
<!– Se for depois do primeiro post faz o que vier a seguir –>
<?php else : ?>
<!– Exibe os outros posts depois do primeiro –>
<?php endif; ?>


No caso acima a seguir ao primeiro artigo “especial” da Página Um aparece uma área para colocação de o que quer que  seja “interrompendo” o loop de exibição dos “posts”
. De seguida o  mesmo continua normalmente a não ser que apareça um novo if($count xx) com  outro valor qualquer.

 

3. Recorrer a operadores lógicos

Note que o que  se disse atrás é válido para qualquer outro ficheiro, como por exemplo o do “header” (cabeçalho da página), sendo igualmente possível  alterar aqui uma série de elementos através das condições adequadas para que a “home page” do site seja exibida de uma forma personalizada (customizada) e diferente das demais páginas que o compõem.

Vamos então agora modificar o header.php para que ele também apresente um layout autónomo na “home” do nosso blog WordPress. Haveria muitas alternativas, claro, mas aqui vai um exemplo:

 

<?php if (!is_home()){ ?>
<div id=”tomenota_!h”> <!–  Caixa especial a aparecer fora da home  –>
<?php if ( !function_exists(‘dynamic_sidebar’) || !dynamic_sidebar(“topo”) ) : ?>
<?php endif; ?>
</div>
<?php } else { ?>
<!–  o que faz se estiver na home  –>
<?php } ?>

 

Nem imagina a quantidade enorme de coisas que estas 7 linhas de código podem fazer por si ;-) .

Assim, mais uma vez,  e neste caso se não estiver na “home page” – donde o !is_home() –  oPHP vai buscar ao ficheiro que contem as “stylesheets“  o selector “tomenota_!h” que produz um determinado “layout”, coloca uma imagem de fundo, enfim o que decidir,  no cabeçalho da página.

Em sequência abre aí uma área para  posicionar um “widget” (com o nome de “topo”) – sendo este próprio  formatado através das folhas de estilo1 – para, por exemplo, inserir um “banner publicitário” ou outra mensagem especial, neste caso, como se disse, apenas fora da “home page”.

Et voilà! Com estas três sugestões simples, usando um conhecimento mínimo de programação em PHP, é possível alterar o seu template de modo a dar à “home” um aspecto diferente das restantes páginas. Não se esqueça, en todo o caso, de fazer cópias de segurança dos ficheiros que quiser editar2, porque qualquer modificação mal feita (basta esquecer-se de uma chaveta…) vai “crashar” imediatamente o programa e isso não queremos que aconteça…

novembro 18, 2011 Posted by | Tecnologia | , , , | 2 Comentários

Saiba como manter um jardim saudável com dicas práticas de adubação

fonte: América Blog

As opções para fertilizar a terra são variadas, de restos de alimentos submetidos a um processo de compostagem a minerais concentrados. O importante é saber como, quanto e quando usar

Manter um jardim em casa é uma atividade prazerosa, mas que pode se tornar frustrante se alguns cuidados não forem tomados, ainda mais quando o assunto é adubação. Por isso reunimos dicas de quatro especialistas sobre compostagem, fertilizantes e cuidados para fazer suas plantas crescerem fortes e saudáveis e ficarem bonitas o ano todo. Veja abaixo:

– A compostagem é um método já conhecido e fácil de fazer em casa com a transformação de restos de alimentos em adubo natural. Cascas de frutas, legumes e verduras, coadores de café, saquinhos de chá, casca de batata, são exemplos de alimentos que podem ser utilizados para sua produção. Esses adubos naturais são excelentes repositores de nutrientes e sais minerais para as plantas, vasos e jardins

– Se usar fertilizantes foliares, aqueles diluídos em água e borrifados nas folhas, nunca os aplique em plantas que recebem sol diretamente; deixe para aplicar o produto no fim da tarde (a partir das 16h) ou passe o vaso para um local sombreado por dois a três dias. Assim, os sais serão absorvidos pelas folhas junto com a água, caso contrário, o sol evapora e a água concentra os sais nas folhas, provocando queimaduras, desidratação, ou manchas nas folhas;

– Dê preferência sempre a fertilizantes orgânicos, tais como: pó de serra, lodo de cervejaria, terra infusória, aparas de grama, carvão, biofortificação e dejetos de cavalos já curtidos (para não haver queima do colo da planta em decorrência de sua fermentação);

– Se você nunca usou fertilizantes minerais concentrados (NPK), dê preferência àqueles com baixa solubilidade em água, tais como: Fosfato Natural de Araxá, Torta de Mamona, Hiperfosfato de Gafsa (fonte de fósforo e micronutrientes) e o Sulfato de Potássio. Caso ocorra uma superdosagem, os danos causados por esses produtos são menores, visto que sua solubilidade é menor e a liberação dos sais é mais lenta. Lembrando que o nitrogênio (N) é importante para o crescimento das folhas, o fósforo (P) para o enraizamento e o potássio (K) para o florescimento/frutificação;

– Excrementos de pássaros e cascas de maçãs são bons para plantas que não querem florescer. Para isso, coloque vários pedaços ao redor da terra e cubra o vaso com plástico durante quatro semanas;

– Adube com fertilizantes minerais quando as plantas já estão estabelecidas. Antes disso é mais recomendado usar esterco de gado ou de galinha, ou ainda húmus de minhoca;

– Utilize terra vegetal (rica em material orgânico) misturada com a terra do jardim quando iniciar o plantio, e adube com 20 a 30 cm de profundidade;

– Adube mensalmente, mas evite as temperaturas mais frias, como o período de maio a julho, especialmente pouco antes e depois da floração. Se a planta é adubada nesse período, pode perder os botões florais. Uma vez que tenham aparecido os frutos, o processo pode recomeçar.

Dicas rápidas e curiosas

  • Na hora de plantar, misture terra vegetal com a do jardim e adube com 20 a 30 cm de profundidade

– Folhas de chá que ficam no fundo da chaleira podem ser borrifadas em plantas de vaso, fornecendo doses de oligoelementos (microminerais);

– Pregos, parafusos e outros artefatos ferrosos, quando colocados na terra, liberam óxido de ferro, que é de grande utilidade para as plantas;

– Casca de ovo é ótimo para orquídeas. Basta colocá-las em uma garrafa, acrescentar água e regar a planta com a mistura;

– Água de aquário ou de jarras que contiveram flores e cinzas de lareiras são ricas em potássio e fósforo;

– Tabaco é um dos melhores adubos para roseiras. Deixe na água por oito dias, coe e regue a planta;

– Farinha de osso é bom para plantas em época da floração;

– Pequenas quantidades de vinho favorecem o crescimento das plantas.


Fontes: 
Gigi Botelho (Paisagista), Murilo Cesar Starke da Cunha (Mestre em Adubação de Culturas pela UNESP de Ilha Solteira), Rafaela Antunes (Arquiteta da RMA Arquitetura & Interiores), Rhuanito Soranz Ferrarezi (Engenheiro Agrônomo)

novembro 11, 2011 Posted by | Dicas | , , | Deixe um comentário

Etiqueta na Hora do Sexo

Dicas da Glorinha Kalil

Para as Mulheres:

© Nunca, em hipótese nenhuma, use calcinha furada.

© No dia em que você sair com aquela calcinha mais fuleira, pode ter certeza que vai ser o dia

que você vai tirar o pé-da-lama!

© Não faça performances que você não sabe. Tentar coisas novas é bom, mas transar em cima do

lustre não fica legal.

© Depile-se. Se vira… Ande com gilete na bolsa… Fique a melhor amiga da depiladora…

e mantenha as partes em ordem.

© Não fale : “- Tira a mão daí!!” Se você está na chuva, se molhe.

© Homem não gosta de transar de luz apagada.

© O cara quer virar e dormir? Qual o problema? Vire e durma primeiro que você vai ver só a

repercussão que isso causa na mente alheia.

© Cuidado. Gemer é uma coisa. Mugir, latir é outra.

Para os Homens:

© Se já inventaram o gel lubrificante , use-o. Nada de tentar comer a bundinha da sua namorada

à seco ou com os derivados do leite… Como por exemplo: requeijão, yogurt, sorvete, Leite de Aveia

Davene, ou qualquer outra coisa. Tem KY pra vender na farmácia do lado da tua casa.

© Porque os homens sempre coçam o saco? Parem de coçar e lavem ele. Saco fedido é o ‘ó’.

© Não transe de relógio. Não é nada legal tomar uma relojada na cabeça.

© Os psicólogos sempre dizem que nós somos aquilo que nós acreditamos ser.

Se você tem um pinto pequeno… Você pode achar que ele é grande…

Se você acredita nisso, problema é seu.

Não tente me convencer disso, porque é inútil.

© Uma palmadinha é sempre bom. Porém, tenha noção das paradas.

Um tapinha é diferente de uma pancadaria.

© Acúmulo de ar na perereca é normal. Sem critério é dizer: ‘Amor, sua perereca está peidando!’.

© Tome cuidado com o que vai falar e a hora que isso é dito. Um clima de amor, remember ….

Eu te amo pra lá… Eu te amo pra cá…

E de repente, do nada: ‘Chupa meu pau!’

Isso não é legal.

© Peidou? Ria… Porque vai feder de qualquer jeito


março 3, 2010 Posted by | Uncategorized | , , | 1 Comentário